Diario de um Sonho

Sinto-me esquisita…
É como se nada fizesse sentido
É como se não fosse mais eu
Sinto-me só,
Perdida num mar de gente
Que me ignora
Grito, mas ninguém me ouve
Grito mais alto ainda
Mas todos fingem não ouvir
Fico então caída
No meio da rua,
No meio do mundo
Sozinha,
Completamente sozinha
Numa terra estranha
Cheia de gente igualmente estranha
Não há nada que eu conheça
Não há nada para me apoiar…
As lágrimas que chorei
O vento levou-as,
Os sonhos que construi
A solidão destruiu,
Os amigos que tinha, perdi
As ruas que outrora conhecia, esqueci
E, naquele dia tão triste
Só a saudade me encontrou
Só a saudade me abraçou
E só a saudade me levou com ela…  


2003